16/07/2014

Ex-corredora

Toda a blogoesfera corre, vai ao ginásio, ao zumba, à musculação e tem até personal trainer.
Eu quando estava em Lisboa também corria muito. Corria atrás do 18, do 28 e do 82. Agora que estou em Frankfurt deixei-me disso. Não vale a pena ficar esbaforida. O 12 passa de 5 minutos em 5 minutos. 

13/07/2014

Hoje joga-se a final do Mundial no Maracanã.


A Alemanha vai trazer o caneco para casa, não vai?
Vai haver festa rija na minha rua, não vai?
Comprimido para a azia em 3, 2, 1...


13/03/2014

O que se aprende na bloga: ser magra, ter a dentição completa e ser uma porquinha poupadinha e amiguinha do ambiente.

Leram o post dos batidos detox da Pipoca? Leram? Bem, então não se esqueçam de comprar a revista Sábado que faz capa com a moda dos batidos. Mesmo a calhar! Vá, vão lá comprar a revista do marido.

E depois de beberem os batidos de goji e quinoa não se esqueçam de lavar os dentes com Colgate. Pronto, lindas meninas.

Alguém tem fotos de como esvaziar o copo menstrual?

20/02/2014

Eu sei que vocês já estavam com saudades do Jabba.


Ontem foi levar duas vacinas. Foi a primeira vez que tive de o levar às vacinas em Portugal. Decidi-me pela Clínica Veterinária do Chile e gostei muito. Ele, como é óbvio, não gostou nada. Atacou a doutora que o teve de enjaular para lhe injectar as vacinas. Pesa 4,300kg e continua o mesmo agressivo de sempre. Quando íamos no autocarro toda a gente se meteu com ele. "Ah, coitadinho, mia tanto. Não gosta de ir preso.", "Que gato tão lindo. A minha está sempre atrás da porta à minha espera." e a cereja no topo do bolo "Muitas felicidades para o seu gatinho.". E felicidades para mim? Pois. 
Na próxima quinta-feira vamos para Frankfurt. Pedi à doutora um comprimido calmante porque viajar com o Jabba é um pesadelo. Passa a viagem a miar, a bufar, a arranhar a alcofa. Vai ter de ir drogado. Bicho lindo. 

07/02/2014

Filmes vistos recentemente no Tuga Filmes

Romeu e Julieta  A mais recente adaptação para cinema da obra Shakespeare. Nota positiva para Douglas Booth que se desenrascou muito bem a fazer de Romeu (se calhar o facto de ser muito bonito ajudou um bocadinho), para Smit-McPhee no papel de Benvolio e para Lesley Manville, a ama de Julieta. A menina Hailee Steinfeld é uma Julieta muito fraquinha. Continuo a preferir o filme de 1996, com DiCaprio-Danes, numa versão peculiar e moderna mas que pouco fica a dever à intensidade da obra. A cena do aquário é memorável e está em número um na minha top 10 romantic scenes.

Joséphine Uma francesa trintona e destrambelhada que ainda não encontrou o amor e que se vê pressionada para o encontrar. Se quiserem passar uma horinha bem dispostos é ver o filme. Os clichés dos trinta estão bem representados nos diálogos. No fim ela encontra o amor que sempre esteve ali tão à mão de semear.

O Sentido do Amor (Perfect Sense)  O Ewan McGregor é o actor principal e para mim é um dos melhores actores da actualidade. Confirma-se. Neste filme faz um papelão. Ele é um chef que se apaixona por uma cientista (Eva Green) na altura em que deflagra uma epidemia que afecta os sentidos. Os humanos vão perdendo os sentidos num curto espaço de tempo e a vida vai-se reajustando nesse caos gerado pela perda sensorial. Eles começam a ter uns encontros escaldantes mas ela prefere não se entregar totalmente porque receia sair magoada como já lhe tinha acontecido em tantas outras relações de merda. No fim do filme há um reencontro entre os amantes que se vêem pela última vez. A pergunta final que fiz a mim mesma: "De que vale o amor quando não há nenhum sentido em nós?"

Before Midnight  Fiquei com um sentimento de Amor-Ódio por este filme. Em primeiro lugar um grande aplauso para o cenário grego. Uma pessoa está a ver o filme e sente sol a infiltrar-se na pele. Os diálogos reflectem as típicas crises de meia idade. Ele parece estar muito mais confortável com o porvir do que ela. Está aberto a novas decisões para o futuro ainda que essas decisões impliquem mudança. Ter um filho longe é o real problema dele. Ela perdeu a frescura dos 20, o encanto dos 30 e transformou-se numa histérica cheia de first world problems. Aos quarenta põe-se a dramatizar sobre os colegas que não valem um chavo, a relação que poderá ruir e as filhas que estão por criar. No fundo, o problema dela é que não há nenhuma garantia que eles fiquem juntos até que a morte os separe. Como ela não consegue viver com esse sentimento de incerteza força as discussões que são o primeiro passo para a separação. Este é um filme que faz perder a fé no amor.

30/01/2014

Quando o melhor anticonceptivo é a blogoesfera.

Para as mães de primeira viagem é tudo espectacular. O bebé é a melhor coisa que lhes aconteceu na vida. O bebe é o que dá sentido à vida (nem se lembram de qual era a sua utilidade antes do bebé!). O bebé priva-as do sono, da vida social, da roupa e cabelo decentes e implica sacrifícios. Mas que importa? O bebé compensa tudo. Ao mínimo sinal de cólica ou doença entram em pânico e sofrem. Sofrem muito. Dói-lhes mais a elas que ao bebé.
Ao segundo filho as mães transmitem-nos que a magia do primeiro é a magia do primeiro. E depois de escreverem os seus queixumes (só depois dos queixumes) é que nos avisam que amam de igual forma o segundo. O choro parece mais estridente, não se lembram do primeiro ter tido tanta goela. Descobrem que a privação do sono é uma coisa que incomoda e quando lhe deram a primeira papa esqueceu-se-lhes, desta vez, a máquina fotográfica e a paciência.
O terceiro veste a roupa moldada no corpo dos outros dois, já ninguém faz um drama com o pequeno arranhão que tem na cara e a febre é uma coisa normal que mói e não vale a pena gastar uma fortuna no pediatra.
E depois brindam-nos com as fotos de todos os momentos íntimos em família e recebem um mar de comentários a elogiar os rebentos. Pessoas que não conhecem de lado nenhum a dizer "que pernoca gorda, dá vontade de comer", "coisa fofa, dá vontade de estar a fazer outro em vez de estar a fazer a sopa para o jantar" entre outras pérolas. O bebé a ser mais visto que um quadro de Magritte, a soberba das mães, a saciedade dos espectadores, a criação um troféu.

Me and Jabba: true stories



15/01/2014

Inícios a meio gás e a meio cabelo

Bom ano a tod@s.
Eu no fundo não tenho resoluções mas, como todos, gostaria tanto que o ano me trouxesse coisas boas. O que eu preciso mesmo é de trabalho. Uma oportunidade que me tire do marasmo em que estou e que se infiltra até à raíz dos ossos. Para já nada de novo. Começo o ano sozinha, em Portugal, a resolver burocracias para alugar uma casa que eu não quero que se torne cruz. Adiante, que este post não é para me lamentar. É para colocar aqui uma foto bonitinha do meu novo cabelo. As pontas duplas já não eram duplas, eram triplas (!). Estava tão compridinho e tão estragadinho. Pensei cá para mim que a blogoesfera está mesmo precisada de uma quarta diva mid hair. Vai daí, um palmo fora. E eis o resultado: